FANDOM


Filho do Amanhecer

FMS01 capa 01

GSM01 cover 01

Informação
Autor(es)
Tradutor(es)

Rita Sussekind

Artista da Capa

Davood Diba

Narrador

Reilly Dolman

Data de
Lançamento
10/04/2018 (e-book) Eua-icone
11/06/2018 (e-book) Brasil-icone
2019 (edição impressa)
Capa
Série
Fantasmas do Mercado das Sombras: Uma Antologia de Contos
 1  2  3  4  5  6  7  8  9  10
Ordem de Lançamento
Lançado depois de
Senhor das Sombras
Lançado antes de
Longas Sombras

Filho do Amanhecer é a primeira história de Fantasmas do Mercado das Sombras: Uma Antologia de Contos, co-escrita por Cassandra Clare e Sarah Rees Brennan.

Descrição

Os Lightwood, Caçadores de Sombras que administram o Instituto de Nova York, aguardam uma nova adição à sua família: o filho órfão do amigo de seu pai, Jace Wayland. Alec e Isabelle não têm muita certeza se querem um novo irmão, e seus pais não estão amenizando seus medos, muito ocupados com a notícia sombria que Raphael Santiago – o segundo no comando do clã de vampiros de Nova York – trouxe do Mercado das Sombras.[1]

Personagens

Somente mencionados:

Teasers

Informação

  • Este está definido como o único volume que não seguirá cronologicamente o volume seguinte.[2]
  • Esta história será ambientada na Cidade de Nova York, quando o jovem Jace chegou e conheceu Izzy e Alec.
  • Raphael é o líder de fato do clã de vampiros de Nova York na época desta história. Raphael é amigável com Tessa e conhece o suficiente sobre Jem a qual ele sente que pode abordá-lo no Mercado das Sombras quando ele precisar de ajuda dos Caçadores de Sombras para lidar com uma ameaça realmente vil a sua cidade. Deveremos ver mais de como Raphael e Lily trabalham em equipe, e as diferentes maneiras pelas quais ambos respondem ao encontro de Jem.[3]
  • Este volume possui partes contadas do ponto de vista de Isabelle.

Trechos

Para mais informações, verifique a seção de Teasers ou a página de trechos não identificados.

Teaser #1

“É superficial,” Alec disse depois de um momento, “mas nossos pais gostariam de saber. Mamãe pode colocar uma iratze nisso-”

“Não! É melhor seus pais não saberem que isso aconteceu de jeito nenhum. Foi apenas má sorte que um deles me pegou. Eu sou um bom lutador,” Jace protestou rispidamente.

Ele era tão impetuoso que era quase alarmante. Se ele não tivesse onze anos, Isabelle pensaria que ele estava preocupado que o mandassem embora por ser um soldado inadequado.

“Você é obviamente ótimo,” disse Alec. “Você só precisa de alguém pra lhe dar cobertura.”

Ele colocou a mão levemente no ombro de Jace enquanto falava. Foi um pequeno gesto que Isabelle não teria notado, exceto pelo fato que ela nunca viu Alec tocar em alguém que não fosse da família e que Jace Wayland ficou perfeitamente imóvel ao toque dele, como se estivesse com medo que o menor dos movimentos pudesse afastar Alec.

“Dói muito?” Alec perguntou compreensivo.

“Não” Jace Wayland sussurrou.

Isabelle pensou que era completamente claro que Jace Wayland diria que ter a perna cortada fora não doeria também, mas Alec era uma alma honesta.

“Okay,” disse o irmão dela. “Me deixe pegar algumas coisas na enfermaria. Vamos lidar com isso juntos.”

Alec assentiu de um jeito encorajador e foi pegar coisas na enfermaria, deixando Isabelle e esse estranho garoto sangrando sozinhos.

“Então, você e seu irmão parecem… bem próximos,” Jace disse.

Isabelle piscou. “Claro.”

Que ideia, ser próxima de sua família. Isabelle se privou de ser sarcástica já que Jace era uma visita e estava machucado.

Teaser #2

“Jonathan?” Maryse comentou. “Ninguém nunca te chamou de algo diferente?”

“Não”, disse Jonathan Wayland. “Meu pai costumava contar uma piada sobre ter outro Jonathan, se eu não fosse bom o suficiente.”

Isabelle não pensou que aquilo fosse uma piada.

“Eu sempre pensei que chamar um de nossos filhos de Jonathan seria como os mundanos chamarem seus filhos de Jebediah.” Disse a mãe de Isabelle.

“John,” disse o pai dela. “Mundanos normalmente chamam seus filhos de John.”

“Chamam?” Perguntou Maryse e então deu de ombros. “Eu poderia jurar que era Jebediah.”

“Meu nome do meio é Christopher,” Disse Jonathan. “Vocês podem – vocês podem me chamar de Christopher, se quiserem.”

Maryse e Isabelle trocaram olhares. Ela e sua mãe sempre tinham tido a habilidade de comunicar assim. Isabelle pensou que era porque elas eram as únicas garotas e especiais uma pra outra. Ela não poderia imaginar sua mãe contando a ela nada que ela não quisesse ouvir.

“Nós não vamos te renomear.” Disse com calma a mãe.

Isabelle não estava certa se sua mãe estava triste com Jonathan pensando que eles fariam isso, dar a ele um nome diferente como se ele fosse um bichinho de estimação ou triste por ele permitir que fizessem isso.

“Talvez um apelido,” Maryse propôs. “O que você acha de Jace?”

Teaser #3

Todo mundo contém outros mundos dentro dele. As pessoas vagam por todos os mundos que podem encontrar, procurando por suas casas.

Alguns humanos pensavam que o mundo deles era o único mundo que existia. Mal sabiam eles de outros mundos tão próximos dos seus como um quarto, ou os demônios tentando encontrar uma porta para eles, e os Caçadores de Sombras que trancavam aquelas portas. Menos ainda eles sabiam do Submundo, a comunidade de criaturas mágicas que compartilhavam seu mundo e cravavam seu próprio pequeno espaço nele.

Toda comunidade precisa de um coração. Tinha que haver uma área comum onde todos pudessem se reunir, trocar por bens e segredos, encontrar amor e riquezas. Haviam os Mercados das Sombras, onde os seres do submundo e aqueles com a Visão se encontravam, em todo o mundo. Geralmente eles eram mantidos do lado de fora.

Até a magia era um pouco diferente em New York.

O teatro abandonado na Rua Canal se mantinha desde os anos 20, testemunha silenciosa, mas não como parte da explosão de atividades que era a cidade. Os humanos que não tinham a Visão passaram por sua fachada de terracota com pressa sobre seus próprios assuntos. Se eles olhassem para o teatro, pensariam que estava escuro e imóvel como sempre esteve.

Não conseguiriam ver a névoa de luz das fadas que transformava o vazio anfiteatro e os corredores de concreto em ouro. O irmão Zachariah podia.

Ele caminhou, uma criatura de silêncio e escuridão, através de corredores com telhas amarelas de sol, painéis de ouro e vermelho ardendo no teto acima dele. Havia bustos sujos com o tempo em alcovas ao longo das paredes, mas naquela noite as fadas haviam feito flores e heras se enroscarem ao redor deles. Os lobisomens haviam colocado pequenos amuletos cintilantes, retratando a lua e as estrelas, nas janelas de tábuas, dando brilho às cortinas vermelhas decadentes que ainda estavam penduradas nos quadros arqueados. Havia lâmpadas em partes das janelas que lembraram o irmão Zachariah de uma época há muito tempo atrás, quando ele e todo o mundo tinham sido diferentes. Em um vasto e imponente salão de teatro, havia um lustre que não funcionava havia anos, mas a mágica dos feiticeiros daquela noite envolvia cada lâmpada com uma chama de cor diferente. Como jóias em chamas, ametista e rubi, safira e opala, sua luz criou um mundo particular que parecia tanto novo quanto velho, e restaurou no teatro toda a sua antiga glória. Alguns mundos duravam apenas uma noite.

Se o Mercado tivesse o poder de lhe dar calor e iluminação por apenas uma noite, o irmão Zachariah iria aceitar.

Uma fada persistente tentara lhe vender um amuleto de amor quatro vezes. Zachariah desejava que tal encanto funcionasse com ele. Criaturas tão não-humanas quanto ele não dormia, mas às vezes ele se deitava e descansava, esperando algo como paz. Isso nunca veio. Ele passou suas longas noites sentindo o amor escorregar por entre seus dedos, agora mais uma lembrança do que um sentimento.

Irmão Zachariah não pertencia ao submundo. Ele era um Caçador de Sombras, e não apenas um Caçador das Sombras, mas um membro da irmandade escondida e encapuzada dedicada aos segredos arcanos e aos mortos, jurado e com runas do silêncio e o afastamento de qualquer mundo. Mesmo sua própria espécie frequentemente temia os Irmãos do Silêncio, e os Seres do Submundo geralmente evitavam qualquer Caçador de Sombras, mas os Seres do Submundo agora estavam acostumados com a presença em especial desse Caçador de Sombras em Mercados. O Irmão Zachariah tinha ido aos Mercados das Sombras havia cem anos, em uma longa jornada que até ele começara a acreditar que seria infrutífera. No entanto, ele continuou procurando. O irmão Zachariah conseguiu pouco, mas uma coisa que ele teve foi o tempo, e ele sempre tentou ser paciente.

Essa noite, entretanto, ele já tinha sido desapontado. O feiticeiro Ragnor Fell não falou com ele. Nenhum de seus outros contatos, diligentemente reunidos ao longo de décadas, apareceram nesse Mercado. Ele era persistente não porque apreciava esse Mercado das Sombras mas porque se lembrava de gostar dos Mercados antes.

Eles eram uma espécie de escape, mas Irmão Zacariah mal se lembrava do desejo de escapar da Cidade de Ossos, onde ele pertencia. Sempre no fundo de sua mente, gelado como a maré que espera para levar todas as coisas embora, estavam as vozes dos seus Irmãos.

Eles o estavam chamando para casa.

Irmão Zachariah virou-se para debaixo dos vidros cor de diamantes. Ele estava deixando o Mercado, abrindo caminho pela multidão barulhenta a barganhar, quando ele ouviu uma voz feminina dizer seu nome.

“Me diga de novo porque nós queremos esse Irmão Zacariah. Os nefilins normais já são ruins o suficiente. Com o Anjo nas veias, enfiado na bunda, e eu aposto que os Irmãos do Silêncio são um grupo só. Nós com certeza não poderíamos levá-lo ao Karaokê.”

A mulher estava falando em inglês mas a voz do rapaz a respondeu em espanhol: “Quieta. Eu o vi”

Era um casal de vampiros, e quando ele se virou, o rapaz levantou uma mão para atrair a atenção de Zacariah. O vampiro com o braço erguido aparentava uns 15 anos de idade no máximo, e a outra, uma jovem de 19, mas isso não disse nada a Zachariah. Zachariah também parecia jovem ainda.

Era incomum um desconhecido ser do submundo querer sua atenção.

“Irmão Zacariah?” perguntou o menino, “Eu vim aqui encontrá-lo.”

A mulher assobiou. “Agora eu vejo porque nós talvez queremos ele. Oláááá, Irmão Mackariah.”

Você veio? Irmão Zacariah perguntou ao rapaz. Ele sentiu o que antes tinha sido surpresa, e agora era pelo menos estava intrigado. Eu posso ser útil a você?

“Eu certamente espero que sim,” disse o vampiro. “Eu sou Raphael Santiago, segundo em comando o clã de Nova York, e eu não gosto de pessoas inúteis.”

Teaser #4

“O que as iniciais significam? No seu cajado. Todos os Irmãos do Silêncio têm?”

Eles olhavam juntos para o cajado. As letras estavam desgastadas pelo tempo e pela própria pele de Zachariah, mas haviam sido esculpidas profundamente na madeira nos lugares precisos onde Zachariah colocaria as mãos sobre elas quando lutava. Então, de certa forma, eles sempre lutariam juntos.

As letras eram W e H.

Não, disse o irmão Zacharias. Eu sou o único. Eu os esculpi no cajado na minha primeira noite na Cidade dos Ossos.

“Eram suas iniciais?” perguntou o garoto, a voz baixa e um pouco tímida. “Quando você era um Caçador das Sombras, como eu?”

Irmão Zachariah ainda se considerava um Caçador de Sombras, mas Jonathan claramente não queria ofender.

Não, disse Jem, porque ele era sempre James Carstairs quando falava sobre o que era mais querido para ele. Não meu.

Galeria

Curiosidades

  • No texto hebraico do Livro de Isaías, Lúcifer é às vezes referido como "filho do amanhecer" – ou filho da manhã – ao lado de seu título mais conhecido "estrela da manhã" (הילל בן שחר).[4]

Referências

Crônicas dos Caçadores de Sombras de Cassandra Clare
Os Instrumentos Mortais
Cidade dos Ossos Cidade das Cinzas Cidade de Vidro
Cidade dos Anjos Caídos Cidade das Almas Perdidas Cidade do Fogo Celestial
As Peças Infernais Os Artifícios das Trevas
Anjo Mecânico Dama da Meia-Noite
Príncipe Mecânico Senhor das Sombras
Princesa Mecânica Rainha do Ar e da Escuridão
As Últimas Horas As Primeiras Maldições
Corrente de Ouro Os Pergaminhos Vermelhos da Magia
Corrente de Ferro O Livro Branco Perdido
Corrente de Espinhos O Volume Negro dos Mortos
As Crônicas de Bane
O Que Realmente Aconteceu No Peru Salvando Raphael Santiago
A Rainha Fugitiva A Queda do Hotel Dumort
Vampiros, Bolinhos e Edmund Herondale O Que Comprar Para o Caçador de Sombras...
O Herdeiro da Meia-Noite A Última Batalha do Instituto de Nova York
Ascensão do Hotel Dumort Os Rumos do Amor Verdadeiro
Contos da Academia dos Caçadores de Sombras
Bem-Vindo à Academia dos Caçadores de Sombras Reis e Príncipes Pálidos
O Herondale Perdido Língua Afiada
O Demônio de Whitechapel O Teste de Fogo
Nada Além de Sombras Nascido Para a Noite Sem Fim
O Mal Que Amamos Anjos Que Caem Duas Vezes
Fantasmas do Mercado das Sombras: Uma Antologia de Contos
Filho do Amanhecer Aqueles Que São Perversos
Longas Sombras A Terra Que Perdi
Todas as Coisas Extraordinárias Através do Sangue, Através do Fogo
Aprendendo Sobre Perdas Fantasmas de Velhos Amores
Um Amor Mais Profundo Para Sempre Caído
Próximos
Os Poderes Perversos
Livros Complementares
O Códex dos Caçadores de Sombras
Uma História de Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo
The Official Mortal Instruments Coloring Book
Graphic novel de Os Instrumentos Mortais
Adaptações
City of Bones: The Graphic Novel
As Peças Infernais (Mangá)
Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos
Shadowhunters: The Mortal Instruments
Esta página utiliza conteúdo de uma página da The Shadowhunters Wiki.
A lista de autores pode ser vista no histórico da página.